Com objetivo de formar o Comitê Municipal de Enfrentamento a Mortalidade da Juventude Negra, no âmbito do plano Juventude Viva, a Secretaria de Estado da Juventude (Seejuv) esteve em Codó entre os dias 9 e 10 de julho realizando a formação dos órgãos da esfera estadual, municipal e sociedade civil que atuarão no comitê que será responsável pela elaboração e acompanhamento do Plano Municipal do Juventude Viva.

A formação apresentou o diagnóstico nacional das vulnerabilidades da juventude negra e o resultado do diagnóstico estadual realizado em nove cidades que estão no Plano Juventude Viva, além de planejar a campanha de combate ao racismo institucional e elencar quais são as propostas do município que irá compor o Plano Estadual de enfrentamento à mortalidade da Juventude Negra.

O prefeito Francisco Nagib, via decreto, reforçou seu compromisso ao criar o Comitê de Enfrentamento a Vulnerabilidade da Juventude Negra, que também tem por objetivo a criação e implantação de políticas pautadas em emprego, educação, segurança pública e equidade social.

Enfrentando de fato a vulnerabilidade que nos assola, junto com o Estado, Município e sociedade civil é que podemos pautar políticas publicas de enfrentamento e assim construir um presente e futuro melhor. Agradecemos ao prefeito Nagib por apoiar a formação do comitê, como um passo importante para efetivação do Juventude Viva no Estado, pois com os comitês municipais formados e atuantes serão grandes atores e parceiros para efetivação das Políticas Pública de combate a mortalidade da Juventude Negra”, disse o Superintendente Municipal de Juventude de Codó, Valdeci Calixto.

Projeto Juventude Viva

O projeto, realizado em parceria com a Secretaria Nacional de Juventude a partir do Plano de Prevenção a violência contra a juventude negra, visa criar condições para superação dos impactos psicossociais gerados em suas famílias e combatendo a padronização da violência e a estigmatização do jovem negro.

No Maranhão, são nove municípios que aparecem no Mapa da Violência como as cidades mais vulneráveis para a juventude negra. São elas Timon, São Luís, São José de Ribamar, Caxias, Imperatriz, Açailândia, Bacabal, Paço do Lumiar e Codó.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.